domingo, 19 de fevereiro de 2017

Quatro estágios da conquista islâmica


Compilado por Clivius Defendus, com dicas de Kali Politus

Vídeo (em inglês) de LSA e versão em PDF. Leia a compartilhe.
Observação: existem outros artigos no blog relevantes com o que é tratado aqui, e servem como referência complementar: Lei dos Números, Hégira, bem como os links fornecidos ao longo do artigo.

ETAPA 1: INFILTRAÇÃO

Os muçulmanos começam a se mudar para países não-muçulmanos em números crescentes e o início de conflitos culturais são visíveis, embora muitas vezes sutis.
  • Primeira onda de migração para o país "anfitrião" não-muçulmano.
  • Apelo à tolerância humanitária da sociedade de acolhimento.
  • Tentativas de retratar o Islã como uma religião de paz e muçulmanos como vítimas de mal-entendidos e racismo (embora o Islã não seja uma "raça").
  • Alta taxa de natalidade muçulmana no país de acolhimento faz aumentar a população muçulmana.
  • As mesquitas costumam espalhar o islã e não gostam do país anfitrião e da sua cultura.
  • Solicita-se criminalizar a "islamofobia" como um crime de ódio.
  • Ações judiciais ameaçadas por discriminação subjetiva.
  • Ofertas de "diálogo inter-religioso" para doutrinar os não-muçulmanos.
Quantas nações sofrem de infiltração islâmica? Uma? Uma mão-cheia? Quase todas as nações? A "liderança" islâmica da Irmandade Muçulmana e outros grupos desejam dissolver a soberania de cada nação e substituí-la pela imposição global da lei islâmica da sharia. A lei da Sharia, baseada no Alcorão, Sira e hadices, condena a liberdade e proíbe a igualdade e é inconsistente com as leis de todas as nações ocidentais. Como o autor e historiador Serge Trifkovic afirma:
"A recusa da classe de elite ocidental em proteger suas nações da infiltração jihadista é a maior traição na história".

ETAPA 2: CONSOLIDAÇÃO DO PODER

Os imigrantes muçulmanos e os convertidos do país de acolhimento continuam a exigir acomodação em termos de emprego, educação, serviços sociais, financiamento e tribunais.
  • A proselitização aumenta; estabelecimento e recrutamento de células jihadistas.
  • Esforços para converter segmentos alienados da população para o Islã.
  • Esforços revisionistas para islamizar a história.
  • Esforços para destruir evidências históricas que revelam o verdadeiro islamismo.
  • Aumento da propaganda anti-ocidental e da guerra psicológica.
  • Esforços para recrutar aliados que compartilham objetivos semelhantes (comunistas, socialistas, anarquistas).
  • Tentativas de doutrinar as crianças para o ponto-de-vista islâmico.
  • Aumento dos esforços para intimidar, silenciar e eliminar os não-muçulmanos.
  • Esforços para introduzir leis de blasfêmia e ódio para silenciar críticos.
  • Foco contínuo na ampliação da população muçulmana, aumentando os nascimentos e a imigração muçulmana.
  • Uso de instituições de caridade para recrutar apoiantes e financiar a jihad.
  • Esforços encobertos para provocar a destruição da sociedade de acolhimento a partir de dentro.
  • Desenvolvimento da base política muçulmana na sociedade anfitriã não-muçulmana.
  • As redes financeiras islâmicas financiam o crescimento político, a aquisição de terras, indústria e comércio.
  • Assassinato visível de críticos visavando intimidar a oposição.
  • A tolerância aos não-muçulmanos diminui.
  • Maiores exigências para adotar uma conduta islâmica rígida.
  • Acúmulo clandestino de armas e explosivos em locais ocultos.
  • Desrespeito aberto / rejeição do sistema jurídico da sociedade não-muçulmana, e da sua cultura.
  • Esforços para minar e destruir a base de poder de religiões não-muçulmanas, incluindo especialmente judeus e cristãos.
Existe um padrão aqui? Theo van Gogh foi assassinado na Holanda por "insultar" o Islã; A Organização da Conferência Islâmica exige leis contra a blasfémia através das Nações Unidas; A França é incendiada regularmente por "jovens" (leia-se, muçulmanos); O crescimento dos "crimes de honra" ... a negação do holocausto ... o anti-semitismo ... o acobertamento dos dogmas do Islã; Ódio contra cristãos, judeus, hindus, budistas, ateus. O padrão para todos é o surgimento da intolerância islâmica e a jihad secreta / cultural para tornar as sociedades que os acolhem em mundos compatíveis com a sharia - para remover a soberania do país anfitrião e substituí-la pela lei islâmica da sharia. A lei da Sharia que condena a liberdade terrena e a liberdade individual, que proíbe a igualdade entre as religiões e entre os sexos, que rejeita o conceito de nação fora da dar al-Islam, a casa global do Islã.


FASE 3: GUERRA ABERTA COM LIDERANÇA E CULTURA

Violência aberta para impor a Sharia e restrições culturais associadas; Rejeição do governo do país de acolhimento, e subjugação de outras religiões e costumes.
  • Esforços intencionais para minar o governo anfitrião e a sua cultura.
  • Atos de barbaridade para intimidar os cidadãos e promover o medo e a submissão.
  • Esforços abertos e encobertos para causar o colapso econômico da sociedade.
  • Toda oposição é desafiada, erradicada ou silenciada.
  • Execução em massa de não-muçulmanos.
  • Difundida limpeza étnica por milícias islâmicas.
  • Rejeição e desafio das leis seculares ou cultura da sociedade de acolhimento.
  • Assassinato de intelectuais muçulmanos "moderados" que não apoiam a islamização.
  • Destruição de igrejas, sinagogas e outras instituições não-muçulmanas. 
  • As mulheres tem suas liberdades cada mais restringidas de acordo com o que estabelece a lei Sharia. 
  • Destruição em grande escala da população, assassinatos, bombardeamentos. 
  • Derrubada do governo e usurpação do poder político. 
  • Imposição da Sharia. 
O site www.thereligionofpeace.com mantém o registro do número de ataques violentos da jihad da melhor forma possível. O site lista mais de 30 mil ataques desde setembro de 2001 (até a data de hoje). Vale a pena visitar. O que está ocorrendo, no entanto, é provávelmente difícil de estimar ​​os eventos em que os muçulmanos são intimidados por outros muçulmanos por não serem "muçulmanos o suficiente", onde os não-muçulmanos são intimidados a fazer ou não fazer o que desejam, onde as populações remanescentes estejam em uma espiral de morte simplesmente por não serem muçulmanos em uma área predominantemente muçulmana. Os cristãos, os judeus, os hindus, os budistas, os animistas e os ateus encontram-se com a morte, a destruição da propriedade ou sua confiscação, a conversão forçada, a violação, a tributação excessiva (a jizya), a escravidão, as multidões desenfreadas e várias outras formas de "justiça" islâmica na mão de muçulmanos no Sudão, nas Filipinas, no Quênia, na Malásia, na Índia, etc. E não esqueçamos a "morte aos apóstatas" no mundo inteiro.


ETAPA 4: A "TEOCRACIA" ISLÂMICA TOTALITÁRIA

O islamismo torna-se a única ideologia religioso-político-judicial-cultural.
  • A Sharia torna-se a "lei da terra."
  • Todos os direitos humanos não-islâmicos são cancelados.
  • Escravização e genocídio da população não-muçulmana.
  • Liberdade de expressão e imprensa erradicadas.
  • Todas as religiões que não o Islã são proibidas e destruídas.
  • Destruição de todas as evidências de cultura não-muçulmana, populações e símbolos no país (Budas, casas de culto, arte, etc).
A Casa do Islã ("paz"), dar al-Islam, inclui as nações que se submeteram ao domínio islâmico, à expiação da alma, à liberdade de condenação e preceitos discriminatórios da Sharia. O resto do mundo é a Casa da Guerra, dar al-harb, porque não se submeteu à Sharia, e existe em estado de rebelião ou guerra com a vontade de Alá. Nenhum Estado não-muçulmano ou seus cidadãos são "inocentes" e permanecem alvos viáveis ​​de guerra por não acreditarem em 'Alá'. Os povos cristãos, judeus, coptas, hindus e zoroastrianos do mundo sofreram sob a subjugação por séculos. Os dhimmis são proibidos de construir casas de culto ou reparar as existentes, economicamente aleijados pela pesada jizya (impostos), socialmente humilhados, legalmente discriminados, alvo de ações criminosas e geralmente mantidos em permanente estado de fraqueza pelos governos islâmicos.

Note-se que as conversões forçadas (Egito) e a escravidão (Sudão) ainda acontecem. Homossexuais são pendurados em praça pública no Irã. As meninas são casadas com velhos. Os apóstatas são ameaçados de morte. Os "crimes de honra" são rotina. As mulheres são legalmente cidadãs de segunda classe, embora os homens muçulmanos insistam em dizer que elas são "tratadas melhor" do que as mulheres no Ocidente. Essas manifestações mais óbvias podem ofuscar outras menos óbvias, como a falta de investigação intelectual na ciência, reduzida produção literária, arte e música inexistentes, uso e abuso sexual de jovens e mulheres e o desprezo pela realização pessoal, alegria e beleza. Olhe nos olhos de uma menina de 12 anos de idade recentemente casada para ver a consequência da privação moral espalhada pelo Islão.

Os 4 estágios da conquista islâmica também estão disponível em formato pdf para facilitar o compartilhamento como parte de "Liberty vs Sharia" (em inglês).





9 comentários:

Anônimo disse...

Aqui tem imbecis que defendem esse processo ao afirmar que aqui os muçulmanos são diferentes pois não tem noticias de atentados ou problemas relacionados a eles haja paciência esse povo chega ser tão ingênuo quanto os novos convertidos é claro que devem ter incidentes só que são mínimos em comparação aos demais problemas no Brasil e claro devem ser abafados também essas pessoas não entendem que enquanto são minoria muçulmanos ficam quietinhos agindo na moita mas basta fazer as perguntas certas e cutuca los nos pontos fracos de suas doutrinas que os "coitados" se revelam aqui não é Europa e nem a América do norte então se fazer de vitima usando argumentos relacionados a racismo e colonialismo não cola por aqui vai um desses refugiados estuprar uma mulher por aqui se for pego não vai ter Alá que o salve ou explodir alguma igreja ou qualquer espaço publico kkkk não vai ter politicamente correto que impedira mesquistas de serem invadidas e banalizadas.

karol disse...

Seu blog é incrível, muito esclarecedor e não deixa uma sombra de dúvidas. Eu já fui dessas que chegou a pensar que o Islã é uma religião de paz, e que ELES eram os perseguidos. Mas graças a Deus, fui me aprofundando no assunto, inclusive com ajuda do seu blog, e descobri a enganação que é essa dita "religião da paz". Está mais pra religião da guerra. Parabéns pelo seu trabalho, continue nos oferendo alertas sobre os perigos e as várias faces do Islã que quer dominar o mundo. Não irão conseguir! Espero que o Ocidente em geral acorde pra perceber a loucura em que estão se metendo. Tenho que ter esperanças, afinal. Abraço.

Anônimo disse...

Com relação aos governos q são extremamente.tolerantes e ao vaticano, so posso crer q eles tem recebido dinheiro dos lideres islãmicos p agir dessa forma...se a pop não começar a agir agora, perderemos total.ente nossa identidade e as trevas retornarão

Aaa n disse...

Perfeito como sempre!! Esse cancer chamado islã tem de ser erradicado da face da Terra! Ou nos seremos

Anônimo disse...

Uma religião maligna!!!

Anônimo disse...

é muito importante tomar ações práticas para barrar espalharem o culto à morte misturado com religião que é o ISLA.( ARABIA SAUDITA E QATAR tão investindo uma fortuna no Brasil par a isso)

1) A indústria HALAL tem que ser empedida a todo o custo BOICOTE HALAL jÀ. Madem email para empresas que tem o selo que vc não gosta não vai comer porudtos assim. É tortura contra os animais além de ser pecado comer alimentos oferecidos aos idolos!

2) A mentira de 1 milhao de mulçumanos tem que ser desmascarada já(Eles sempre alegam isso para ganhar espaçõ na midia e ganhar terreno de prefeituras)!
Para politicos interesserios não pensarem que podem contar com votos enquanto na realidade de acordo com senso ha apenas 34 mil.

3) Fim da imigração de Africanos islamicos ilegais para o Brasil não são refugiados e PONTO FINAL.

Com estas medidas praticas podem conter o avanço desta religião facista no Brasil já temos problemas demais para contar este problemao em casa também!

Anônimo disse...

Vim avisar que a revista VEJA entregou nas bancas neste sábado uma edição (2521, ano 50, nº11, 15/03/2017) cuidadosamente editada sobre o Islã (pró-Islã, mais especificamente). Nela contém: entrevista das páginas amarelas com o xeque xiita Rodrigo Jalloul; reportagem sobre o "nacionalista e xenófobo" holandês Geert Wilders; e uma pequena notícia sobre a Nike "enfrentando o preconceito" ao criar um véu islâmico próprio para esportistas. Isso totaliza 5 páginas da revista dedicadas a matérias pró-islã, o que eu acredito ser um recorde, pois assino essa revista a mais de 10 anos e não notei isso antes.

A revista está adicionando estes temas em doses homeopáticas. Em edições passadas falou-se sobre o desfile de moda inteiramente com hijabs, o "banimento de muçulmanos" nos EUA, políticos anti-imigração, brasileiros com medo de serem deportados, e livros de autores que promovem imigração. Falou sobre a Marcha de Março, mas "esqueceram" Linda Sarsour. Da mesma forma, a resposta aos comentários de JK Rowling sobre imigração nem foram publicadas (sobre enviar 100 imigrantes para as mansões dela).

Para não ser parcial, vou dizer que que a própria revista as vezes também é crítica em relação ao islã. São comuns notícias sobre os assassinatos e atentados islâmicos. Eventualmente um colunista toca na aliança entre o islã e a esquerda. Porém acho que a revista não consegue associar estes atentados a onda de imigração na Europa e a jihad. Provavelmente essa nova tendência editorial foi uma resposta ao crescente número de comentários negativos em várias notícias no website de VEJA, de pessoas que estão se informando sobre o problema.

Anônimo disse...

anônimo da noticia do dia 12 março vi essa reportagem da veja dei muita risada senti raiva e tristeza pelos absurdos que li.Interessante que querem a força que sejamos tolerantes com intolerantes. O povo dessa religião estupra, mata, faz escravos tudo isso validado no corão e nas tradições orais gravadas dos companheiros e esposa do seu profeta e ainda insistem na mentira.

Anônimo disse...

Sei disso não, aquisó tem mesmo quem goste de festas e futebol, duvido que quando começar a acontecer as atrocidades vá aparecer homens com culhoes pra enfrentar.